domingo, 21 de setembro de 2008

Preciso de fotografar o que é o reflexo de uma grade trabalhada num vidro fosco de portada antiga do prédio de Mouzinho da Silveira. Mas não tenho máquina portanto faço-o com palavras.

E os recortes no limite da paisagem, que é o céu, porque estou alta, multiplicam-se em formas, curvas, relógios, cúpulas vítreas, sinos, rosas do vento, cruzes, o Norte.

A chuva vertical, não oblíqua, simplesmente deixa cair o seu peso frio de lágrimas atravessadas por raios de Sol. Todos batem nas pedras da calçada.

1 bitaites:

levitate disse...

de volta?
bom regresso!!!

Enviar um comentário

 

Copyright 2006 | Template cedido por GeckoandFly e modificado e convertido para Blogger Beta porBlogcrowds.
Muito obrigada :) Se queres conteúdo reproduzir, basta pedir!