segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

Houve um tempo em que o que fazia era música. Uns anos depois - mas outros tantos antes de agora - “ser músico”, era sinónimo de ser lírico, ou pelo menos dizia-o alguém por quem por acaso tenho ainda muito apreço.

Hoje, tenho vontade de fazer música. Melhor, tenho vontade de ser música – não a personalidade mas essas ondas que percorrem o ar que respiro e aquilo em que os meus braços podem estender-se. Já por várias vezes quis tentar explicar o que isto é, e revejo-o algures em frente a um teclado, Gershwin em igreja barroca, momento em que me sinto entrar nas ditas ondas, sentidas, na medida de quem ultrapassa aquele milésimo de segundo de erro, de lag, de diferença, entre fazer música e sê-la.

Fazia já longa data de que não corria, andava sequer.
Passeio alegre, mas não tanto, sofrido. Verão, quente, noite. Conversas viradas para o rio, sentadas, a ver que ou o mar ou o Douro ou ambos ainda não tinham aceite o facto daquela língua de terra ou areia ter aparecido ali no meio, permitindo um qualquer relacionamento de foz mais suave. Gaivotas sobrevoam ondas revoltas no Cabedelo, marés vivas de Agosto. [Acompanha, bis, o passo.]

Havia luar também e o cristal mais lindo, vindo de florestas amazónicas, esferas de consciência, tal como a que eu trazia de outros orientes, bem mais triste.
Convidou-me a um passeio, caminhada, bengala.
Convidou-me a acelerar, subtilmente e qual coração nas mãos, quando dei por mim era passo de corrida, a trote combinando braços, pernas pés e cabeça num movimento contínuo, orgânico, natural que o meu corpo houvera esquecido ser. Comparo-o a ser música, não a personalidade, mas o passo, o corpo.

Para o Natal era o que eu queria, tocar, ser música, 48 horas ou mais sem parar. Sem reparar. Mas o Natal obriga a enfrentar pequenos monstros debaixo da cama, fugindo deles. O Natal obriga a vestir a pele do outro e depois tapá-la com cachecóis grossos e luvas máscaras, da nossa tristeza que o frio corrói por dentro.

“Que podemos fazer nós para ajudá-los?”, pergunta a Violeta, 4, é que se não têm casa nós temos uma tão grande. E fome? Resta sempre comida em casa.

No meio de tesouras, papéis, estrelas, recortes, after eights e chás em flor, à janela bate alguém, que fala da Indonésia. Pergunto se lá está a celebrar o Natal, a resposta mais linda, presta atenção, “Eu comemoro se tu também.”

Neste Natal, Desconsolada, não cantei os parabéns ao menino Jesus, à volta de bolo de aniversário com vela de pilha desafinada pelos anos que passam.

2 bitaites:

Fátima São Simão disse...

lêr-te é vêr-te, de dentro para fora. é mergulhar no teu mundo, como se fosses um submarino. que bom que te conheço. obrigada. :)

Anónimo disse...

eu até já me tinha esquecido de vir ler este canto mas sabe-se que quando ele mexe ouve-se na montanha.
Aproveitando a "boleia" de Fátima São Simão, obrigado também pela fantástica escrita!
Que os teus sonhos se realizem... como se vai chamar "a banda?" ou é a solo?
:)

Enviar um comentário

 

Copyright 2006 | Template cedido por GeckoandFly e modificado e convertido para Blogger Beta porBlogcrowds.
Muito obrigada :) Se queres conteúdo reproduzir, basta pedir!